Heart Team: Médicos do Ana Nery debatem casos complexos de pacientes

Foi realizada na manhã da última terça-feira, 13 de dezembro, mais uma reunião semanal do Heart Team (Time do Coração) do Hospital Ana Nery.

Formada por equipes de cirurgiões cardíacos, anestesistas, cardiologistas clínicos, hemodinamicistas, enfermagem especializada, engenharia clínica e direção médica, o Heart Team tem como foco discutir os casos mais complexos, nos quais a decisão de intervir de forma percutânea ou cirúrgica não está clara.

Na terça (13/12), foram discutidos os casos de quatro homens (70, 83, 66 e 72 anos) e uma mulher (67 anos).

Nas reuniões do Heart Team, cada apresentação é liderada pelo clínico líder da enfermaria, com a apresentação feita pelo residente. Todos podem opinar e, em caso de não haver consenso, o clínico líder pode conduzir de forma orientada pelos melhores interesses do paciente e sua família.

Para casos mais avançados, há a participação da equipe especializada de cuidados proporcionais e paliação.

Além disso, todas as reuniões são registradas e compõem um acervo para pesquisa e consulta de casos complexos conduzidos pelo hospital.

 

Confira a decisão do caso apresentado na reunião anterior (06/12/22):

 

  • Homem, de 70 anos, hipertenso, diabético e dislipidêmico. Apresentou quadro de angina de início recente em 06/2022 e novo evento de dor, com necessidade de atendimento em unidade de emergência em 09/2022, quando foi evidenciado em Cateterismo (CATE) padrão triarterial com lesão suboclusiva proximal, apesar de leito distal da descendente anterior (DA) apresentar lesão. Proposta: Avaliar tempo para tratamento cirúrgico com Revascularização Miocárdica (RM).

 Decisão do Heart Team: Diante do quadro, optou-se por realizar punção guiada do nódulo pulmonar e posteriormente por seguir com cirurgia de RM devido à gravidade da lesão com recorrência de evento.

 

  • Homem, de 83 anos, hipertenso, diabético tipo 2. Referiu queixa de dispneia progressiva há 1 ano, que se intensificou em junho/2022, quando evoluiu para médios esforços. Além disso, apresenta edema de membros inferiores (MMII) no período, que se estende ao nível de tornozelos e piora ao final do dia. No Cateterismo (CATE) eletivo, realizado no dia 29/11/2022 sem intercorrências, evidenciou doença arterial coronariana (DAC) triarterial grave, com lesão de tronco coronária esquerda (TCE). Proposta: Tratamento cirúrgico através de Revascularização do Miocárdio.

Decisão do Heart Team: Como o Ecocardiograma Transtorácico (Eco-TT) revelou que a função de ventrículo esquerdo (VE) estava preservada e o paciente não apresentava critérios de fragilidade, optou-se por seguir com a cirurgia de RM.

 

  • Homem, de 66 anos, hipertenso, dislipidêmico, com angina CCS II desde 2021. Em 19/07/22, apresentou dor precordial de intensidade 10/10, associada à sudorese, motivando ida imediata à emergência da cidade de origem. Realizado ECG que evidenciou inversão de onda T em parede anterior, além de zona elétrica inativa em parede inferior. No CATE, apresentou padrão triarterial, sendo DA ocluída com leito distal fino com possibilidade de limitação para anastomose do enxerto na DA, porém com possibilidade de bons enxertos para demais vasos. Proposta: Tratamento cirúrgico.

 Decisão do Heart Team: Optou-se por seguir com cirurgia de RM.

 

  • Homem, de 72 anos, já discutido em reunião do Heart Team em 01/11/2022. Hipertenso, com síndrome coronariana aguda (SCA) recente. No CATE, foi evidenciado padrão triarterial, porém com lesão DA médio-distal (DA pequena), marginal com leito distal fino e coronária direita (CD) ocluída. Proposta: Tratamento percutâneo.

Decisão do Heart Team: Considerando lesões não passíveis de revascularização cirúrgica ou percutânea e lesão na DA médio-distal, optou-se por manter o paciente em tratamento clínico.

 

  • Mulher, de 67 anos, com Infarto Agudo do Miocárdio com Supra de ST (IAM CSST) anterosseptal não reperfundido. No CATE, foram identificados os seguintes achados: DAC triarterial com lesão obstrutiva focal de 80% em terço distal de TCE grave, a artéria coronária direita (CD) com lesão obstrutiva de 100% em terço médio, artéria descendente anterior (DA) atingindo o ápex, calcificada, múltiplas lesões obstrutivas, sendo de 95% em terço proximal/médio e de 80% em terço distal, apesar de leito distal da DA fino. Proposta: Tratamento cirúrgico.

Decisão do Heart Team: Optou-se por seguir com cirurgia de RM.

Olá, em que posso ajudar?