Heart Team do Ana Nery discute casos complexos de pacientes

Foi realizada na manhã desta terça-feira, 22 de março, mais uma reunião semanal do Heart Team (Time do Coração) do Hospital Ana Nery.

Formada por equipes de cirurgiões cardíacos, anestesistas, cardiologistas clínicos, hemodinamicistas, enfermagem especializada, engenharia clínica e direção médica, o Heart Team tem como foco discutir os casos mais complexos, nos quais a decisão de intervir de forma percutânea ou cirúrgica não está clara.

Nesta terça (22), foram discutidos os casos de cinco mulheres (de 66, 68, 73, 77 e 86 anos de idade) e um homem (com 58 anos).

Nas reuniões do Heart Team, cada apresentação é liderada pelo clínico líder da enfermaria, com a apresentação feita pelo residente. Todos podem opinar e, em caso de não haver consenso, o clínico líder pode conduzir de forma orientada pelos melhores interesses do paciente e sua família.

Para casos mais avançados, há a participação da equipe especializada de cuidados proporcionais e paliação.

Além disso, todas as reuniões são registradas e compõem um acervo para pesquisa e consulta de casos complexos conduzidos pelo hospital.

Confira a decisão do caso apresentado na reunião anterior:

  • Homem de 64 anos, hipertenso, diagnóstico de IAM CSST inferior em 11/03/2022- submetido a angioplastia (ATC) primária de coronária direita (CD); apresenta lesões residuais em marginal (Mg) e descendente anterior (DA) ostial, sendo optado por seguir tratamento das lesões residuais de forma cirúrgica.
    Decisão do Heart Team: Pelo risco de suspensão da DAPT neste momento, optado por manter ambulatoriamente por 90 dias para suspensão do clopidogrel e programar a cirurgia de revascularização do miocárdio (RM).

 

  • Homem, diabético, etilista, estenose de traqueia, com diagnóstico de IAMSST Killip IV em janeiro/2022. Realizou CATE, padrão de lesão triarterial, sendo DA proximal, circunflexa (Cx) proximal (ambas envolvendo bifurcação) e lesão grave de CD. Eco com disfunção de VE – FE 27%. Apresenta ainda quadro de estenose traqueal. Dr. Jackson opina que o paciente tem padrão arterial com múltiplas lesões, está colonizado e precisa fazer uma traqueostomia (TQT); tem risco de choque, mediante infecção; acredita que deve ser discutido com o paciente, e a equipe clínica deve avaliar e assumir o risco cirúrgico; não acredita que seja um caso favorável à cirurgia.
    Decisão do Heart Team: Ao final da discussão, foi mantida opinião clínica, sendo uma decisão não consensual. Apesar de leitos distais de fino calibre, no contexto de lesões proximais graves, optado por seguir com cirurgia de RM e será confeccionada TQT no mesmo tempo cirúrgico.

 

  • Homem de 66 anos, ex-etilista, ex-tabagsta. Com IAM SST recente. Rediscutido CATE realizado no HAN em 09/03/2022, com impressão de lesão moderada de Cx e CD, sem lesão grave.
    Decisão do Heart Team: Optado por seguir com tratamento clínico otimizado.

 

  • Homem de 52 anos, tabagista e sem outras comorbidades prévias conhecidas. Em 2/3/2022 buscou o serviço de emergência, 16° Centro de Saúde por dor precordial, com intensidade 10/10, irradiando para membro superior esquerdo e dorso, associada à náusea e sudorese, tendo recebido dose ataque com AAS (300mg) e clopidogrel (300mg). ECG ainda da unidade de origem evidenciou ritmo sinusal, com padrão de Sd Wellens tipo I (plus minus em V2). Cateterismo cardíaco realizado em 08/03/2022 no HUPES com padrão de DAC triarterial.
    Decisão do Heart Team: Após avaliação de CATE e discussão de anatomia, decidido por convocar para tratamento cirúrgico com proposto.

 

  • Homem de 70 anos, hipertenso, diabético, portador de doença renal crônica (dialítica) com quadro de aneurisma de aorta abdominal em proposta de correção endovascular. Na avaliação de risco perioperatório, identificada angina CCS e optado por realização de CATE pré-operatório, que evidenciou lesão coronariana, com lesão moderada em DA e grave em Cx com CD ocluída.
    Decisão do Heart Team: Uma vez que não há urgência/ emergência da abordagem do aneurisma abdominal, optado por otimizar terapia antianginosa e então programar a correção endovascular do aneurisma. Caso mantenha angina apesar de otimização, seguir com ATC de Cx.

 

  • Homem, hipertenso, tabagista, IT grave e IM moderada com quadro de IC FER (17%) com queixa de angina – realizou CATE em 13/03/2022 para investigação etiológica, sendo evidenciado lesão grave de DA 1/3 médio, CD ocluída, Cx ocluída distal.
    Decisão do Heart Team: Diante de paciente com disfunção grave de VE, optado por ATC de DA.

 

  • Mulher de 29 anos, com passado de endocardite tricúspide, evoluindo com perfuração das cúspides espessadas com imagem sugestiva de rotura da cúspide septal com flail, além de perfuração da cúspide anterior determinando falha de coaptação. Refluxo transvalvar excêntrico de grau grave (VC 0,9cm, fluxo reverso em veia hepática) ao Doppler e mapeamento de fluxo em cores. Difícil avaliação anatômica de valva tricúspide ao ecocardiograma transtoracico. PSAP estimada em 40mmHg. PAD 5mmHg.
    Decisão do Heart Team: Diante de paciente com IT importante e dilatação de câmaras direitas e hipertensão pulmonar, optado por seguir com abordagem cirúrgica da tricúspide.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Olá, em que posso ajudar?